Faz calor. Alguns usam máscara, a grande maioria não. O casal está sentado lado a lado. A mulher segura um bebê com uma faixa cor de rosa na cabeça. O bebê chora. A mulher o chacoalha, em vão. As pessoas em volta começam a olhar para a mãe com o bebê. Num gesto inesperado, o homem se levanta e pega o bebê no colo.

“Vamos passear?”

A mãe assente, sorrindo.

Os olhos do homem brilham ao olhar o bebê. É como se qualquer coisa a partir dali fosse possível. Reinos dominados, civilizações abatidas. Ele era dono do mundo, pois carregava e tinha domínio sobre o seu. O bebê parou de chorar e sorria. O pai sorria também.

Caminharam por alguns metros, sob meu olhar. O homem colheu flores, enquanto o bebê olhava sem saber do que se tratava. A todo momento, o homem conversava com o bebê que assentia, como se entendesse o que estava sendo dito. Nunca vi cumplicidade maior do que esta.

O homem voltou, com as flores na mão, sob o olhar atento do bebê. Entregou para a mulher que sorriu. Senti a potência da vida percorrer todo meu corpo. Se aquele casal, com aquele bebê que chorava, podia continuar sua trajetória, quem era eu para desistir? A vida pulsa quando menos se espera. É preciso estar atento aos sinais e continuar.

--

--

The saddest girl to ever hold a Martini.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store